Make your own free website on Tripod.com

 

O Cartel Alimentar da Casa de Windsor.

 

    O que as seguintes empresas tem em comum?

    Enron, Shell, Cargill, British Petroleum, Royal Dutch, RTZ, Bunge & Born, Quaker Oats, Nestlé, IBP, Procter & Gamble, Seagram, CocaCola, PepsiCola, Philip Morris, Kellogg, Purina, Maggi, Tradax, Alcon, L'Oreal, Tang, Milka, Toblerone, Malboro, Time-Warner, Close-Up, Signal, Pond's, Calvin Klein, dentre outras 15 megaempresas "meio" desconhecidas no Brasil.

    Leiam o livro verde lançado pela Assembléia gaucha em 13 de junho de 1996: 

Ver http://www.al.rs.gov.br/Comissões/Capc/1996/960613.htm  :

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

45ª Sessão Ordinária - Realizada em 13 de junho de 1996.

Presidência do Deputado Valdir Fraga.

     "A crise mundial de alimentos: A fome como arma política"

    Alguns trechos do relatório:

    "De dez a doze companhias principais, ajudadas por outras tres dezenas controlam as reservas mundiais de alimentos. Estas companhias são o elemento chave do cartel alimentar anglo-suiço-holandes, organizado em torno da Casa de Windsor, titular da coroa britanica.  Este cartel internacional de alimentos e matérias primas (incluindo petróleo, energia elétrica - aqui que entra a Enron, etc), encabeçado por seis companhias de grãos - Cargil, Continental, Louis Dreyfus, Bunge & Born, André e Archer Daniels Midland/Topfer - tem o domínio mundial total das reservas de grãos e cereais, desde o trigo, o milho e a aveia, ate o sorgo, a cebola e o centeio. Mas além disso controla as carnes, os produtos lácteos, as gorduras e óleos, as frutas e verduras, o açucar e todas as especiarias."

    "O controle funciona da seguinte forma: a oligarquia estabeleceu quatro regiões como principais exportadoras de quase todo tipo de alimentos, e nelas foi adquirindo o controle vertical de toda a cadeia de alimentos. Estas regiões são: Os Estados Unidos; A União Européia (especialmente França e Alemanha); o grupo de nacões de Austrália, Canadá, África do Sul e Nova Zelândia, da Mancomunidade Britanica; e na América Latina, a Argentina e o Brasil. ... Estas quatros regiões tem quando muito, uma população de 900 milhões de pessoas, ou seja, 15 por cento da população mundial. Os outros 4 bilhões e 700 milhões de habitantes do mundo - 85 por cento - dependem das exportações dessas quatro regiões."

    " ... as quatro regiões exportadoras do cartel receberam uma vantagem assustadora, enquanto o resto do mundo mergulhou em um atrazo forçado. A essas nações a oligarquia lhes negou sementes, fertilizantes, irrigação, eletricidade, ferrovias e rodovias; equivale dizer, todos os insumos de capital e infra-estrutura necessários para alcancar a auto-suficiencia alimentar. Essas nações se reduziram à condição de subalternos; ou importam das regiões exportadoras do cartel, ou morrem de fome. Ao mesmo tempo, o cartel alimentar anglo-suiço-holandes reduziu tambem as regiões exportadoras, que supostamente desfrutavam de condição privilegiada, a um estado de servidão. Nas últimas duas décadas faliram milhões de produtores agropecuários estadunidenses, europeus, canadenses, australianos e argentinos."

    " O Brasil satisfazia aproximadamente 90% de sua demanda de cereais em 1963, porém caiu para 76% em 1990."

    " O emprego de alimentos como arma remonta pelo menos a quatro mil anos, à Babilonia ... Na atualidade, a guerra alimentar está plenamente sob o controle de Londres, com subordinados principalmente na Suiça e Amsterdã."

    "Esses cartéis são propriedade da oligarquia centralizada na Casa de Windsor; são instrumentos de poder dessa oligarquia, acumulado durante séculos, para quebrar a soberania das nações."

    " O cartel exerce férreo controle sobre as economias agricolas nacionais de muitos países, particularmente os das quatro regiões exportadoras do cartel. Este controle se exerce através das industrias de processamento: se controla essas indústrias, se controla o comércio nacional."

    "Recentemente (1995) a IBP introduziu ali (União Sovietica) carne mexicana barata, a fim de quebrar os produtores locais."

    " ... tais companhias, através de multiplas formas de concentração, dominam a produção de grãos, carne, produtos lácteos e outros alimentos, bem como o processamento e a distribuição de alimentos, desde o campo até o supermercado. Poucos alimentos se movem sobre a face da Terra sem que nisso esteja metida a mão desse cartel."

Home