Make your own free website on Tripod.com

cranio.jpg (3142 bytes)        O Crânio 1470 de Richard Leakey

Duane T. Gish, Ph.D.

É cedo demais para avaliar acertadamente o verdadeiro significado da descoberta feita por Richard Leakey perto da praia leste do lago Rodolfo, no Quênia. Não obstante, o impacto sobre as teorias evolucionistas relacionadas com a origem do homem é potencialmente tão explosivo que essa notícia merece, uma tentativa de avaliação. Um jornal disse: "Por causa dele (o crânio 1470 de Leakey), todos os livros sobre antropologia, todos os artigos sobre evolução e os desenhos da árvore genealógica do homem terão de ser jogados no lixo. Estão aparentemente errados". O artigo publicado em Science News¹ tinha o seguinte título: "O novo crânio de Leakey muda o nosso pedigree..." Richard Leakey é filho do Dr. Louis Leakey. O Dr. Leakey adquiriu fama mundial através de uma série de descobertas supostamente sensacionais em Olduvai George, na Tanzânia, cerca de 800km ao sul do lago Rodolfo. A descoberta principal do Dr. Leakey foi um crânio de um pretenso "homem-macaco", que se chamou de Zinjanthropus, ou "Homem do Leste da África". Através de uma combinação de julgamentos apressados, reivindicações exageradas e grande publicidade feita pelo National Geographic, outros jornais e outros meios de comunicação, muitas pessoas, e quase todos os evolucionistas, ficaram convencidos de que o Dr. Leakey tinha realmente encontrado os restos mortais de uma criatura muito especial, uma criatura da qual o homem teria descendido diretamente e que viveu cerca de dois milhões de anos atrás.
Uma avaliação mais completa e cuidadosa de achado do Dr. Leakey feitos por técnicos da matéria revelou finalmente que o "Zinjanthropus" do Dr. Leakey não passava de uma variedade de Australophithecos (como o próprio Dr. Leakey finalmente admitiu), uma criatura parecida com um macaco, cujos restos foram descobertos 35 anos antes por R. A. Dart na África do Sul. O Dr. Leakey ficou, portanto, por ter "descoberto" uma coisa que já tinha sido descoberta muitos anos antes! Embora algumas autoridades, como Montagu ² e von Koenigswald,³ há muito tinham afirmado que o australopithecus estão fora da linhagem dos ancestrais do homem, a opinião geral dos evolucionistas era que os australopithecus foram macacos bípedes parecidos com o homem em linha direta na árvore genealógica do homem.

Richard Leakey não tem doutorado um antropologia. Na verdade, ele não é formado em nada. Ele nem mesmo freqüentou uma faculdade. Não obstante, passou muitos anos trabalhando e estudando com o seu pai, e reuniu uma equipe que inclui cientistas formados. Durante os anos passados, sua pesquisa deu forte apoio àqueles que defendiam que os australopithecus não tinham nada a ver com a origem do homem. Nós já fizemos a nossa avaliação das evidências relacionadas com essas criaturas, evidências que nós cremos que provam conclusivamente que eles foram macacos. Ponto final.4 Se a avaliação de Richard Leakey de sua descoberta, o Crânio de 1470, for aceita, terá não apenas acabado completamente com as teorias de seu pai sobre a origem do homem, nas quais o australopithecus recebeu um papel principal, mas também terá acabado com as teorias de todos os outros também.

O Dr. Leakey reivindicou que encontrou dois espécimes do seu "Zinjanthropus", uma forma menos evolutiva e mais primitiva, mais tarde intitulada Australopithecus Robustus e uma forma mais desenvolvida e mais graciosa, chamada A. Africanus. Richard Leakey reivindica agora que esses não passavam de macho e fêmea de uma só espécie, a forma mais graciosa sendo a fêmea e a mais robusta, o macho. 5,6 Nenhuma evolução da forma primitiva para a mais avançada.

Com base em evidências extremamente fragmentárias ( e com fortes idéias preconcebidas ), a opinião geral dos evolucionistas tem sido que os australopithecus andavam abitualmente sobre duas pernas, uma das características para a forma transicional entre o suposto ancestral do homem parecido com um macaco e o próprio homem. Evidências apresentadas por Richard Leakey nos dois ou três anos passados deram forte apoio ao fato de que os australopithecus não andavam sobre duas pernas, mas tinham longos braços, pernas curtas e andavam com o auxilio das mãos, como os demais macacos africanos ainda existentes.5,7

A última descoberta de Leakey talvez tenha agora dado o último golpe para derrubar o australopithecus como candidato a antepassado do homem; na verdade, se aceita, vai destruir todas as teorias atualmente defendidas pelos evolucionistas sobre os antepassados do homem. Em sua conferência no ano passado em San Diego (que o autor assistiu), Leakey disse que o que ele encontrou destrói tudo o que aprendemos até agora acerca da evolução do homem, e, ele disse, "Eu não tenho nada para oferecer em seu lugar!"

As idéias geralmente aceitas até agora sobre a evolução do homem incluíam um antepassado hipotético comum para homens e macacos, que deveria ter existido cerca de 30 milhões de anos atrás mais ou menos, talvez um pouco mais (no que se refere aos verdadeiros fósseis) até que se chegou ao estágio do australopithecus, cerca de dois milhões de anos atrás segundo se supõe. Mais tarde, cria-se, esses antepassados do homem parecidos com macacos foram seguidos por uma criatura mais parecida com o homem (ou menos parecida com o macaco!), representada em Java pelo Pithecanthropus Erectus (o Homem de Java), e na China pelo Sinanthropus Pekinensis (o Homem de Pequim). Eles foram datados pelos evolucionistas (através de simples conjecturas) em cerca de 500.000 anos, e atualmente a maioria dos evolucionistas os coloca em uma só espécie intitulada Homo Erectus. Já discutimos em alguns detalhes por que cremos que a única evolução que ocorreu nessas criaturas foi a evolução dos modelos e descrições feitas pelos evolucionistas desde que foram descritos pela primeira vez! 4 As primeiras descrições dessas criaturas eram muito parecidas com os macacos, mas elas foram se tornando cada vez mais parecidas com o homem nos relatórios subseqüentes, culminando nos modelos de Franz Weidenreich, que eram quase humanos. Infelizmente, todos os ossos desapareceram durante a Segunda Guerra Mundial, portanto não há meios agora de confirmar se essa criatura era um homem ou um macaco. Estamos convencidos de que, tal como os australopithecus, eram simplesmente macacos.

Assim, temos o quadro:

Isso é muito pouco, considerando um suposto período evolucionário de 30 milhões de anos e a fértil imaginação dos evolucionistas!

Richard Leakey reivindica agora que a sua equipe descobriu um crânio (chamado de KNMR 1470) muito mais recente ainda do que o "Homem de Pequim", essencialmente o mesmo, de fato, do homem moderno (exceto no tamanho), e ainda assim foi datado em cerca de três milhões de anos!8,9 Se a avaliação de Leakey tiver apoio, e, se as datas atribuídas aos australopithecus (2 milhões de anos), o "Homem de Pequim" (112 milhão de anos), e o KNMR 1470 (3 milhões de anos) forem aceitas, é óbvio que nem os australopithecus nem o "Homem de Pequim" estão na árvore genealógica do homem, pois corno poderia o homem moderno, ou essencialmente o homem moderno, ser mais velho que seus antepassados? Quem já ouviu falar de pais que são mais jovens que seus filhos?

Conforme foi reconstituído pela Sra. Richard Leakey, o Dr. Bernard Wood, um anatomista londrino, e outros, o crânio é notavelmente semelhante ao do homem moderno? A parede do crânio é fina, sua conformação geral é humana, e não possui as pesadas saliências dos supercílios, as cristas supramastóides e outros aspectos simiescos encontrados variadamente nos australopithecus e no "Homem de Pequim". Além disso, a algumas milhas de distância, mas na mesma camada, o Dr. John Harris, um paleontólogo ligado aos Museus Nacionais do Quênia, descobriu ossos de membros que, segundo consta, não diferem em nada dos ossos do homem moderno. São presumivelmente ossos de membros de criaturas idênticas ao 1470.

A capacidade craniana do 1470 foi calculada por Leakey em apenas 800 cc. Embora isso seja muito mais que o atribuído aos australopithecus (450 a 500 cc), e, considerando sua alegada antigüidade, ele é chamado de "cérebro grande", embora esteja abaixo da média do homem moderno (cerca de 1.000 a 2.000 cc, com uma média de 1.450 cc). A idade e o sexo do 1 1470 não pôde ser determinado com certeza (primeiro pensou-se que fosse macho; agora crê-se que seja fêmea).

A pequena capacidade craniana desse crânio é difícil de reconciliar com o fato de que tudo mais nele seja, segundo consta, essencialmente parecido com o homem moderno. (0 Dr. Alec Cave, um anatomista inglês, descreveu o crânio como "tipicamente humano"10 ). Até mesmo um pigmeu deveria possuir uma capacidade craniana maior do que a do 1470, embora já tenha ,-,do encontrada uma mulher aborígene australiana com uma capacidade craniana de cerca de 900 cc.

Um recente artigo publicado em um jornal" fala de uma entrevista com o Dr. Alan Mann, um antropólogo da Universidade da Pennsylvania, que passou quatro semanas com Leakey no Quênia no verão passado. Conta-se que Mann foi no começo muito cético quanto aos relatórios de Leakey sobre o 1470, mas depois de sua experiência durante o verão, ficou convencido de que Leakey revolucionou a antropologia. Ele conta que Leakey agora encontrou um segundo crânio, e que esse crânio é bastante grande para ser colocado em cima do 1470. Mann, como a maioria dos outros evolucionistas, ficou totalmente confuso pelas desnorteantes implicações da descoberta de Leakey. Ele teria dito: "Simplesmente não sabemos o que aconteceu. Não há teorias reais. Todos estão um tanto confusos. ...Simplesmente voltamos ao ponto de partida."

E o que dizer da data atribuída por Leakey ao seu 1470, como também das datas atribuídas ao "Zinjanthropus" 1 e 3/4 milhões de anos) e ao "Homem de Pequim"? Seria legítimo que um criacionista que crê numa terra jovem e, portanto, crê que os métodos para datar usados para chegar a essas datas são inválidos, que usasse essas mesmas datas para invalidar a teoria evolucionista? Absolutamente. Se o que Leakey relata acerca do seu 1470 é verdadeiro, e se as datas atribuídas a essa criatura, ao "Zinjanthropus" e ao "Homem de Pequim " são válidas, então o "Zinjanthropus" (e todos os Australopithecus) e o "Homem de Pequim" são eliminados como antepassados do homem, e os evolucionistas ficam sem nada. Por outro lado, se a idade da terra tem alguns milhares de anos em vez de bilhões de anos, então todo o conceito da evolução se torna inconcebível. Assim, tanto num como no outro caso, ficamos sem nenhum antepassado evolucionista. para o homem.

Gostaríamos de enfatizar que a esta altura estamos quase completamente dependentes do julgamento de Richard Leakey e seus colegas quanto à natureza dos seus achados. No momento, além disso, estamos; limitados às notícias publicadas em jornais e revistas pseudocientíficas. A importância e as implicações das descobertas de Leakey são assim publicadas com base em relatórios que talvez não sejam assim tão dignos de confiança e dados que ainda não foram examinados pelos críticos. Devemos, portanto, olhar para tudo isso com muita cautela. Não obstante, podemos dizer a este ponto, que o último relatório de Leakey dê considerável apoio aos criacionistas , que defendem que o homem e os macacos sempre foram contemporâneos. Por outro lado, isso teve o efeito de uma bomba entre os evolucionistas. Talvez seja por isso que em nossas muitas discussões e debates com os evolucionistas, neste último ano, não tenhamos encontrado ninguém que queira conversar sobre a evolução humana!

Outros acontecimentos recentes fortaleceram a posição dos criacionistas. Por exemplo, o Homem de Neandertal costumava ser descrito como uma criatura primitiva sub-humana, o antepassado imediato do Homo Sapiens. Cria-se que ele possuía uma postura apenas semiereta e que possuía alguns outros aspectos primitivos, inclusive destacadas saliências nos supercílios, pescoço curto e em declive, ombros curvos e pernas em arco. Durante muitos anos o Museu de História Natural de Chicago exibiu uma família do Homem de Neandertal, apresentado-o como uma criatura sub-humana, inclinada para frente, arrastando os braços no chão, cabeluda, grunhindo, espiando sob uma compacta saliência supraciliar, com olhos profundamente encaixados.

Essa figura do Homem de Neandertal foi desenvolvida porque o indivíduo cujo esqueleto foi usado para essa figura sofria de uma forma severa de artrite o outras condições patológicas. Já no século XIX isso foi destacado por Virchow, um famoso anatomista. Isso foi confirmado mais recentemente por Straus e Cave que disseram:

"Não há, portanto, motivos válidos para presumir que a postura do Homem de Neandertal... diferisse significativamente dos homens da atualidade... Talvez o 'ancião' artrítico de La Chapelle-aux-Saints, o protótipo da postura do homem de Neandertal, se postasse e andasse com algum tipo de cifose patológica; mas, nesse caso, ele tem os seus companheiros entre os homens modernos semelhantemente afligidos com osteoartrite espinal. Ele não pode, à vista de sua manifesta patologia, ser usado para. nos dar um quadro digno de confiança de um neandertaliano normal e sadio. Não Obstante, se ele pudesse ser reencarnado e colocado em um metrô de New York (depois de tomar um banho, fazer a barba e vestir roupas atualizadas ), duvidamos que atraísse mais atenção do que outros cidadãos."¹²

Ainda mais recentemente, o Dr. Francis lvanhoe declarou que os dentes do Homem de Neandertal apresentam evidências de raquitismo (causada pela ausência de vitamina D) e que radiografias dos ossos do Homem de Neandertal indicam o característico padrão do raquitismo.13 Ele ainda diz que cada crânio das crianças de Neandertal estudado até agora apresenta sinais associados a severo raquitismo: cabeça grande com testa alta e bulbosa, fechamento retardado das juntas ósseas e fragmentos de ossos defeituosos, e dentes fracos.

Por isso é que o Homem de Neandertal foi um tipo de má postura! Seus supercílios salientes, a testa bulbosa, os ombros caídos, as pernas arcadas e outros aspectos "primitivos" eram devidos ao amolecimento dos seus ossos e outras condições patológicas causadas por uma séria deficiência de vitamina D. Vamos ainda lhe dar uma artrite e teremos o quadro do Homem de Neandertal que enfeita tantos livros escolares há 100 anos - a figura que os evolucionistas reivindicaram provar que o Homem de Neandertal era um elo entre o homem moderno e criaturas semelhantes aos macacos.

Mas agora essa figura do Homem de Neandertal foi abandonada e hoje ele já não é mais classificado como Homo Neanderthalensis, mas é classificado como Homo Sapiens, exatamente como eu e você. 0 Museu de História Natural de Chicago retirou os seus antigos modelos do Homem de Neandertal e os substituiu com modelos atualizados, mais modernos. Assim, um a um: - o "Homem de Nebraska" (construído com base num dente de porco!), o "Homem de Piltdown" (construído a partir do maxilar de um macaco da atualidade!), o "Zinjanthropus", ou o "Homem do Leste da África", o "Homem de Pequim", o Homem de Neandertal, - nossos supostos antepassados semelhantes a macacos foram deixados de lado. E Richard Leakey clama por fundos para começar tudo de novo!

 

REFERÊNCIAS

1. Science, News, Vol. 102, p. 324 (1972),
2. A. Montagu, Man: His First MiIion Years, World Publishers, Yonkers, N. Y., 1957, p.51
3. G. H. R. von Koenigswald, The Evolution of Man, University of Michigam Press, Ann Arbor, 1962; ( veja também a crítica deste livro feita por J. Hawkes, Science, Vol. 204, p. 952, 1964)
4. D. T. Gish, Evolution: The Fossils Say No!, Institute for Creation Research, San Diego, 1973.
5. R. E. F. Leakey, Nature, Vol. 231, p. 241 (197 1).
6. Sience News, Vol. 99, p. 398 (197 1).
7. Science News, Vol. 100, p. 357 (197 1).
8. Science News, Vol. 102, p. 324 (1972).
9. R. E. F. Leakey, National Geographic, Vol. 143, p. 819 (1973).
10. J. Hillaby, "Dem Ole Bones'', New Scientist, December 21, 1972.
11. J. N. Shurkin ( Knight Newspapers writer ), The Cincinnat Enquirer, October 1 0 1973. p. 6.
12. W. L. Straus, Jr., and A, J. E. Cave, The Quarterley Review of Biology, December, 1957, pp. 358, 359.
13. F. lvanhoe Nature, August 8, 1970 (veja também Science Digest, February, 197 1, P. 35, Prevention, October, 1971, p. 115).

 

Home