Make your own free website on Tripod.com

      Notícias sobre padres ...     

  Nota: As notícias mais novas estão no final da página

 


 

21/08 - 20h16
Igreja paga indenização recorde a homem molestado por padre

Do Diário OnLine

Americano que alega ter sido molestado sexualmente por um padre recebeu uma indenização de US$ 5,2 milhões da Igreja Católica. O valor, determinado por um acordo judicial na segunda-feira, é o maior já pago pela igreja a uma só pessoa.

Ryan DiMaria, hoje um advogado de 28 anos, acusou o padre Michael Harris, da diocese de Orange, de tê-lo apalpado, bolinado e molestado duas vezes em 1991. DiMaria revelou que sofreu de depressão e teve impulsos suicidas durante vários anos depois do incidente. As quatro testemunhas do caso também dizem ter sido violentadas pelo padre.

Harris negou todas as acusações. Mas o bispo de Orange, Dom Tod Brown, emitiu um comunicado expressando profundo pesar pelo acontecido e levantando dúvidas a respeito da inocência de Harris. Para evitar novos casos de abuso, a diocese local proibiu confraternizações entre padres e fiéis e prometeu vigiar melhor os religiosos. O juiz James Gray, que aprovou o acordo entre a Igreja e DiMaria, exigiu que a diocese do Condado de Orange e a arquidiocese de Los Angeles peçam desculpas às vítimas do padre Harris.


 

Padre é preso acusado de estupro na zona leste de SP

21-Ago-2001 16 :04h

Um padre foi preso nesta manhã acusado de estupro e corrupção de menores na zona leste de São Paulo. O padre Salomão Soares de Oliveira, da paróquia São João Evangelista, na Vila Marieta, é acusado de violentar quatro mulheres, sendo duas menores de idade.

Segundo o chefe dos investigadores do 10º DP (Penha), Antonio Curci, responsável pela prisão, o padre mantinha contato com meninas de Iratí, no Paraná, e oferecia a elas trabalho em São Paulo.

"Ele mantinha contato com uma mulher do Paraná, que falava com as meninas. Ele dizia que oferecia emprego, casa e comida em São Paulo, e no fim, as violentava", disse Curci.

Fonte: Folha Online


 

Padre é acusado de estupro e atentado ao pudor no Ceará

Quinta, 17 de janeiro de 2002, 05h55


A cidade de Santana do Acaraú, na zona norte do Ceará (a 228km de Fortaleza), foi tomada de surpresa, ontem, com um escândalo envolvendo o padre Sebastião Luiz Tomaz, 56, acusado de estuprar cinco adolescentes na faixa etária entre 14 e 15 anos. O padre também é acusado de praticar crime de atentado violento ao pudor contra outras 14 garotas.

O delegado regional de Acaraú, Aurélio Araújo Pereira, já instaurou inquérito para apurar o caso, e segundo ele, deverá pedir ainda hoje a prisão preventiva do padre. Atualmente, Sebastião Luiz está respondendo pela paróquia de Marco, devido ao falecimento do vigário do município, monsenhor Valdir, vítima de acidente de trânsito há duas semanas.

O delegado esteve ontem à tarde em Santana do Acaraú, onde ouviu em depoimento 14 das 19 vítimas do padre. "É um caso impressionante", disse o delegado, acrescentando que o padre fugiu da cidade ao pressentir a movimentação da polícia. Segundo apurou o delegado, através das próprias vítimas, ele começou a abusar sexualmente delas há dois anos, quando estuprou uma menina de nove.

"O encontro dele com as adolescentes acontecia no seu próprio apartamento, na rua José Leôncio da Ponte, no centro de Santana do Acaraú", contou o delegado Aurélio, frisando que para isso o padre as iludia com promessas de dinheiro e merendas. "Os encontros sempre ocorriam depois que o padre celebrava missas na matriz de Santana do Acaraú, de onde atraia as adolescentes até ao seu apartamento", afirmou o delegado.

O inspetor policial, Emídio Soares, responsável pela segurança do município de Santana do Acaraú, declarou que há revolta na cidade por conta do fato inusitado. "Hoje (ontem) foi grande a movimentação na Delegacia", disse o policial civil.

O delegado Aurélio Araújo disse que dez das vítimas do padre serão submetidas a exame ainda hoje e já expediu guias ao Instituto Médico Legal (IML). Aurélio disse que já comunicou o caso ao Juiz da Comarca de Santana do Acaraú, bem como ao promotor de Justiça, Carlos Augusto, que segundo o delegado, é sobrinho do padre.

Aurélio afirmou que o caso foi descoberto depois de uma discussão envolvendo algumas das vítimas. Até que chegou ao conhecimento da mãe de uma delas. Impressionada com o que ouviu, resolveu prestar queixa contra o padre. Posteriormente, outras denúncias foram registradas na delegacia.

O jornal O Povo tentou ouvir no início da noite de ontem o bispo da Diocese de Sobral, dom Aldo Pagotto, sobre as acusações contra o subordinado, padre Luiz Sebastião Tomás, para saber qual o procedimento que a Igreja deverá adotar diante do caso. O bispo estava em Fortaleza e não foi localizado através do celular.

Também foi tentado contato com o presidente do Tribunal Eclesiástico, padre José Fernandes, mas ele não foi encontrado. O vice-presidente, padre Clairton Alexandrino, disse por telefone que estava saindo para um curso e não poderia atender. Informou ainda que deveria ser respeitada a presidência do padre José Fernandes, assim não podendo tratar do assunto.

Fonte: O Povo (http://www.terra.com.br/noticias/brasil/2002/01/17/007.htm)


Sorocaba, 7 de Fevereiro de 2002

HOMOSSEXUAL DE BATINA

04h43 - Suspensão de padre homossexual gera debate na Espanha

A decisão do Bispo da cidade espanhola de Huelva, Ignacio Noguer, em suspender de todas as suas funções um padre de sua diocese que assumiu publicamente ser homossexual gerou uma série de debates na Espanha.

José Mantero, de 39 anos, padre da localidade de Valverde del Camino, abalou as bases da Igreja Católica ao revelar para uma revista espanhola que era homossexual e que não praticava o celibato há oito anos desde que se apaixonou por um homem, além de ter uma "agenda completíssima" de amigos religiosos que também são gays.

Nesta confissão, publicada na revista gay de Madri "Zero", José Mantero disse que descobriu seu interesse por homens aos 12 anos e que teve que "mentir" para ingressar no Seminário, ao afirmar que se sentia "atraído pelo sexo oposto". O padre fez questão de esclarecer que manteve o celibato até os 31 anos, quando se apaixonou.

"Dou graça a Deus por ser gay, porque isso me proporcionou a capacidade de amar", explicou antes de afirmar que existem "muitos" amigos seus sacerdotes "homossexuais e heterossexuais que não respeitam o celibato". "Isso é uma realidade, e dentro da Igreja teria que ser criado um movimento para fazer do celibato opcional", disse o religioso.

Desde a publicação da entrevista, há cinco dias, o padre não só agitou a Igreja ao desafiar a hierarquia eclesiástica com seus "pecados", mas conseguiu levar o tema para debates nos setores políticos e intelectuais.

A decisão do Bispo de Huelva de retirar todas as licenças ministeriais ("suspenso a divinis") de Mantero foi apenas mais um capítulo do assunto, já que o alto comando da Igreja espanhola tinha adiantado as razões de uma eventual sanção ao padre.

Através de seu porta-voz, Juan José Asenjo, a Conferência Episcopal afirmou categoricamente que "a Igreja não admite a prática da homossexualidade e a considera um pecado e um desvio moral". Para Mantero, a atitude da Igreja com a homossexualidade "é um gravíssimo pecado mortal", por que com isso "se fechou a uma porção importante do povo de Deus, e por isso terá que pedir perdão".

Os meios intelectuais e políticos se mostraram divididos em relação ao assunto. Para o escritor Antonio Gala, as palavras do padre integram uma "desordem moral", destacando que "a Igreja tem uma longa história de homossexualidade tolerada, mais ou menos em silêncio, entre religiosos e religiosas".

Na escala política, dois eurodeputados socialistas espanhóis levaram o tema ao Parlamento Europeu, onde perguntaram ao Conselho se Mantero, por "sua situação particular e profissional", pode ser amparado ou não pela "Carta dos Direitos Fundamentais da União Européia".

Segundo os parlamentares, esta Carta "proíbe toda discriminação por orientação sexual". Por outro lado, militantes do espanhol Partido Popular (PP, centro-dreita), no governo, abriram uma página na internet e colocaram a disposição um número de telefone para reunir assinaturas para pedir a expulsão de um integrante do PP que ameaçou fazer graves revelações contra a hierarquia eclesiástica no caso de sanções contra o padre.

Esta campanha é contra o presidente da Plataforma Popular Gay, Carlos Alberto Biendicho, que ameaçou tornar pública a "homossexualidade de três bispos se a Igreja" fizer alguma represália contra José Mantero.

O próprio Biendicho afirmou numa entrevista ao jornal El País que quando estava no seminário, entre 1980 e 1984, manteve "relações sexuais com três companheiros que agora são bispos". Agora resta esperar pelos futuros desdobramentos do tema.

 Fonte: http://www.jcruzeiro.com.br/


Padre é preso sob acusação de pornografia infantil pela Internet

14:49 13/02
Agência EFE

O pároco da localidade espanhola de Casares de las Hurdes está em prisão preventiva, acusado de posse e intercâmbio de imagens de pornografia infantil por meio da Internet, informou hoje, quarta-feira, o Bispado de Coria-Cáceres.

A prisão do sacerdote, identificado como I.L.O, de 29 anos de idade, aconteceu na semana passada e, segundo fontes oficiais, foi feita por membros da Unidade de Delitos Tecnológicos da Polícia Nacional, procedentes de Madri.

O material pornográfico que o padre supostamente trocava não era próprio, mas de procedência desconhecida, segundo o Bispado, que confirmou que o sacerdote foi tranferido na última quinta-feira para prisão de Cáceres.

O Bispado afirmou que o padre detido "vinha demonstrando uma conduta exemplar e ganhou a simpatia de todos que o conheceram ", e está "profundamente arrependido desses fatos, de cujas conseqüências confessou não ter consciência".

Além disso, os responsáveis eclesiásticos afirmaram que "ele foi o primeiro a lamentar esta situação" e reprovou "qualquer forma degradante de utilização das pessoas e da elaboração e tráfico de pornografia infantil".

Olegario Rodríguez, prefeito de Casares de las Hurdes, uma pequena localidade de 725 habitantes situada no noroeste da província de Cáceres (oeste espanhol), disse à EFE que a notícia foi recebida pelo povo "com surpresa e tristeza", já que, afirmou, o sacerdote é "muito apreciado por todos".

Os vizinhos do município estão esperando o desenvolvimento do processo judicial para realizar alguma iniciativa de apoio ao sacerdote, como uma campanha de abaixo-assinado que a prefeitura estaria disposta a liderar, disse o prefeito.

O sacerdote morava com sua mãe na casa da paróquia do Santísimo Sacramento e ambos mantinham uma boa relação com a vizinhança do povoado, afirmou o vereador.

Este caso foi divulgado duas semanas depois do rebuliço causado, na Espanha, pela confissão pública de José Mantero, sacerdote da localidade de Valverde del Caminho, sobre sua homossexualidade e sua decisão de não respeitar o celibato.

Retiraram de José Mantero, cuja conduta foi tachada de "doença" por membros da hierarquia católica espanhola, todas as licenças ministeriais, por decisão do Bispado de Huelva, que expressou sua "dor" pelo drama pessoal deste sacerdote.


14/02/2002 - 11h55
Igreja expulsa padre que casou dezenas de gays na Itália

da Reuters, em Roma

Um padre que escandalizou a Igreja Católica ao casar dezenas de parceiros homossexuais na Itália foi expulso de sua diocese e não pode mais exercer o sacerdócio, informaram líderes da igreja hoje.

Mesmo depois de anos de advertências, padre Franco Barbero, 33, da cidade de Pinerolo, norte da Itália, casou não apenas divorciados -o que é proibido pela Igreja-, mas também uniu mais de 30 casais gays, obrigando a igreja a tomar uma atitude, disse o bispo local.

"Seu ponto de vista moral e a celebração de pseudo-casamentos entre homossexuais estão em grave contraste com a doutrina da Igreja Católica", disse o bispo Pier Giorgio Debernardi, num comunicado.

Para o Vaticano, tendências homossexuais não são pecado, mas atos homossexuais são.

O bispo de Pinerolo disse que tentou em vão por mais de 30 anos convencer Barbero de que ele estava errado. Barbero também contesta alguns dos credos básicos da Igreja Católica, incluindo a virgindade de Maria.

A expulsão de Barbero é o segundo escândalo a abalar a Igreja nas últimas semanas. O padre Ugo Moretto, ex-chefe do centro de TV do Vaticano, admitiu recentemente que estava tendo um caso com sua secretária e que vai ser pai.

Moretto disse a um jornal local nesta semana que vai se casar o mais rápido que puder e que está procurando um novo emprego.


[14/02/2002][16:21]

http://jbonline.terra.com.br/extra/2002/02/14/e1402093.html 

Excomungado padre italiano que abençoou uniões de homossexuais

CIDADE DO VATICANO - O padre italiano Franco Barbero, que há vários anos abençoava uniões de homossexuais em Pinerolo, Piemonte, norte da Itália, foi excomungado por seu bispo, dom Pier Giogio Bernardi, informaram hoje fontes do arcebispado.

O sacerdote, de 63 anos, que já deu sua bênção a 35 casais homossexuais, inclusive duas lésbicas, foi acusado pelo bispo de "negar os principais mistérios da fé cristã, principalmente o da virgindade da Virgem".

Segundo o código de direito canônico, os culpados de faltas extremamente graves contra a doutrina, podem ser excomungados através de uma decisão pública da autoridade eclesiástica ou excomungados automaticamente porque se colocam fora da comunidade católica.


http://www.emtemporeal.com.br/index.php?area=2&idnoticia=37895&PHPSESSID=b387ffa674b0c4dba3af87974efc0198 

Padre anuncia que vai se casar com namorada grávida de três meses

14/02/2002 16h37

O padre Ugo Moretto, ex-administrador do canal de televisão do Vaticano, informou que vai deixar o sacerdócio para se casar com uma jornalista que está grávida dele.

Moretto, que tem 45 anos, se envolveu com a mulher, que é dez anos mais nova, quando os dois trabalhavam na emissora de televisão controlada pela Igreja.

"Nós não estamos casados, mas estamos vivendo juntos e vamos nos casar assim que pudermos", disse o padre, acrescentando que sua namorada está grávida de três meses.

O Vaticano se recusou a comentar as declarações do padre Moretto.

 


 

Padre é preso no Ceará sob suspeita de pedofilia

Sexta, 22 de fevereiro de 2002, 19h16


A polícia brasileira deteve um padre franciscano acusado de violar 12 crianças e adolescentes na localidade rural de Santana do Acaraú, no Ceará. Luiz Tomaz, de 69 anos, foi acusado por familiares das jovens, entre dez e 15 anos. A denúncia causou comoção no município de 22 mil habitantes.

A juíza Solange Menezes Holanda decretou prisão preventiva sob a acusação de atentado violento ao pudor. Tomaz foi encaminhado para a prisão de Sobral, município vizinho de Santana do Acaraú. O padre, que foi suspenso pela Diocese de Sobral em janeiro, negou as acusações, mas admitiu que conhece as jovens que o acusam.

A polícia disse que as famílias das meninas participavam de programas beneficentes da paróquia da cidade. As autoridades explicaram que o padre assediava as jovens há dois anos e as atraía para sua casa, dizendo que lhes daria doce e dinheiro.

EFE

http://www.terra.com.br/noticias/brasil/2002/02/22/104.htm

 


 

Casamento de padre espanhol com ex-freira causa revolta no Peru

12:14 02/03

Agência JB   http://www.jb.com.br/

LIMA - O casamento de um padre espanhol com uma ex-freira peruana, realizado no município de Piura, provocou revolta na imprensa do Peru. Alfonso Vegas Ramajo, de 40 anos, chegou ao país no dia 28 de dezembro do ano passado para encontrar a namorada, Luz Aurora Otoya, também de 40 anos, uma ex-freira a quem conhecia pela internet. No dia 12 de janeiro, os dois se casaram no civil e fixaram residência em Lima. A história de amor entre Alfonso e Aurora teve início em Salamanca, na Espanha, quando o padre começou a se corresponder com a ex-freira.

 


 

Terça-feira, 5 de março de 2002  http://www.estado.estadao.com.br/editorias/2002/03/05/ger017.html

Para o Vaticano, homossexuais não devem ser ordenados padres

Reação de especialistas foi contrária à determinação da Santa Sé
MICHAEL PAULSON
The Boston Globe 

CIDADE DO VATICANO - O Vaticano declarou ontem que homossexuais não devem ser ordenados padres. A recomendação é a primeira a ser feita pela Igreja depois de vários estudos terem mostrado o grande número de padres gays. Muitos pesquisadores que estudam sexualidade e clero têm dito que tentar banir os homossexuais resultaria em uma diminuição drástica da quantidade de padres, principalmente nos Estados Unidos. A notícia foi dada pelo porta-voz do papa João Paulo II, Joaquin Navarro-Valls.

"Se forem retirados da Igreja todos os homossexuais, o número de padres diminuirá tanto que o efeito sobre a Igreja será como o da bomba atômica", disse Richard Sipe, um ex-padre e psiquiatra. Ele estuda a vida dos padres há 25 anos e já escreveu três livros sobre o assunto. "Isso significaria o afastamento de pelo menos um terço dos bispos do mundo. Além disso, muitos santos e papas eram homossexuais", afirma. "Discriminação contra essa escolha não vai resolver o problema."
O comentário do porta-voz do papa foi feito no domingo no jornal The New York Times. Segundo ele, as ordenações de padres gays devem ser invalidadas, assim como os casamentos em que a mulher descobre que o marido era homossexual.
"Isso não é um julgamento final das pessoas que são homossexuais", disse Navarro-Valls. "Elas só não pertencem a esse lugar." O comentário do Vaticano pode ter sido provocado pelas notícias de abusos sexuais cometidos por padres em Boston e em outros lugares. Normalmente, as vítimas eram meninos adolescentes.
Segundo Sipe, seus estudos também mostram que muitos padres estão também envolvidos com mulheres adultas. "Homossexualismo não viola o celibato mais que o heterossexualismo."
Vários estudiosos tentam mostrar que o número de gays no clero é maior do que a porcentagem na população geral. "Quem conhece muito bem os padres raramente discorda que o sacerdócio é ou está se tornando uma profissão gay," diz o reverendo Donald B. Cozzens, que faz parte de um seminário católico no Estado americano de Ohio. Ele escreveu o livro A mudança do Clero, que recebeu críticas positivas inclusive de um diretor do Seminário St. John, em Boston. "Nada do que ele disse é mentira", disse o diretor.
Segundo Cozzens, o número de homossexuais é tão grande nos seminários que esses lugares estão se tornando desconfortáveis para heterossexuais. O reverendo se disse desapontado com a recomendação do porta-voz do papa, apesar de afirmar que o Vaticano já havia dito o mesmo há alguns anos.
"O número de padres já é baixo e se os seminaristas gays não forem ordenados, essa quantidade vai baixar mais ainda", afirma Eugene Kennedy, um especialista em sexualidade e clero. "Nós sempre tivemos padres gays e eles sempre foram modelos do que os padres devem ser", diz ele, que é um ex-padre.

 


 

Terça-feira, 5 de março de 2002  http://www.estado.estadao.com.br/editorias/2002/03/05/ger008.html 

Igreja força acusados a se aposentarem

Arquidiocese californiana pune sarcedotes que cometeram abuso sexual

LOS ANGELES - Entre seis e 12 sacerdotes de paróquias californianas, nos Estados Unidos, - que foram acusados de abusos sexuais a menores - receberam recentemente ordem do cardeal de Los Angeles, Roger Mahony, para deixar seus postos.

A arquidiocese da Igreja Católica em Los Angeles não fez nenhum anúncio público das destituições, que ocorreram nas últimas semanas, segundo fontes eclesiásticas citadas pelo jornal Los Angeles Times. Nenhum dos padres da arquidiocese estão envolvidos recentemente em casos de abuso a menores. Os acontecimentos que os reprovam ocorreram há alguns anos e todos eles foram submetidos, desde então, a vários tratamentos psicológicos.
Estruturas - O caso do ex-padre católico John Geoghan, de 66 anos, que em fevereiro foi sentenciado a 10 anos de prisão, por haver abusado sexualmente de um menino, abalou as estruturas da Igreja Católica nos Estados Unidos.
Depois disso, as dioceses de todo o país têm sido submetidas a uma crescente pressão para a saída dos padres com histórico de abuso sexual.
Antes da condenação de Geoghan, no mês passado, as arquidioceses de Boston já teriam de pagar uma dívida de mais de US$ 10 milhões por outras 50 denúncias contra ele. No total, desde 1995, Geoghan foi acusado de ter molestado 130 crianças e violentado pelo menos uma. (AFP)

 

 

 

 

 

 

Home